Make your own free website on Tripod.com
 

Edmar Mammini

PRIMEIRA PARTE

O hélice ou a hélice, bem na língua portuguesa, hélice é um objeto andrógino, é masculino em linguagem naval e é feminino em aeronáutica, por que? Bem... não vai ser um modelista que irá explicar isso, isso é coisa para filólogos.
O hélice atualmente é o dispositivo de transmissão mais usado tanto nos modelos como nos barcos reais. Portanto é bom termos certas noções de que coisa é essa.
 
 

Os demais são: vela, remos e rodas d'água.
O hélice é uma figura geométrica sólida, uma espécie de espiral no espaço, um parafuso que fica parafusando a água.
Três fatores são importantes e definem o hélice de um barco, a saber: Diâmetro, Passo e Rotação; os demais itens são
meros acessórios que permitem que o hélice exista, por que o hélice teórico e ideal é inexeqüível.
O hélice ideal teria o maior diâmetro possível ( que caiba na popa do barco) , passo compatível com a rotação do motor e
a velocidade do barco e ainda uma única pá, e essa pá não teria espessura.
 

Isso é teórico, não existe na realidade.
O hélice mais próximo disso tem os dois itens iniciais - diâmetro e passo - mais o giro correto, e duas pás.
O número de pás serve apenas para distribuir a carga do empuxo, as vezes duas pás não agüentam, necessita-se as vezes
de 4 ,5 ou mais pás; já existem hélices com sete pás.
O formato da pá também não influi, existe pá redonda, oblonga, em foice e outras.
 

A razão disso é o meio onde gira.
Se o local tiver algas (sargaços por exemplo) ou então barco de pesca com rede, o hélice tem forma de foice, que é
realmente uma foice para ceifar as algas, ou então cortar a rede se esta tentar enroscar no hélice.
O que realmente vale é o que se convencionou chamar de a área do disco, ou explicando melhor, a área que a pá do hélice
descreve ao girar, é sempre um disco de mesma área, seja qual for o número de pás.

Tem dois jeitos de se medir o passo, o passo real e o relativo, o passo real (teórico) é quanto o hélice avança ao dar um
giro, e o passo relativo, é o diâmetro dividido por esse avanço (passo real).
Exemplo numérico: um hélice com 5 cm de diâmetro e com um avanço de 5 cm também tem o passo igual a 1 - passo relativo - ou então passo real ou avanço de 5.
 

Como calcular isso? como achar o ângulo de inclinação das pás ,como calcular isso? bem... será um artigo a ser publicado
posteriormente se houver interesse da parte dos modelistas.
De que adianta explicar aqui toda essa babozeira se ninguém se interessa em fabricar hélices, não se esqueça que fazer
hélices é uma especialidade, uma arte do modelista, envolve cálculos bem complicados.

Existem dois tipos distintos de hélices, os de passo variável ( ângulo constante) e o de passo constante ( ângulo variavel).
Os primeiros são os hélices cujo ângulo no bosso e na ponta da pá é o mesmo; os segundos são os que os ângulos vão
mudando conforme se alonga a pá, estes últimos tem rendimento bem superior aos anteriores.
Tendo em vista que o hélice gira em um meio líquido,se o ângulo fôr o mesmo, o líquido na ponta da pá anda mais
depressa que no bosso, ao passo que se o ângulo fôr diminuindo na ponta da pá ,a velocidade de trânsito do líquido na pá
será o mesmo em toda a superfície.
 

Nesse caso o rendimento aumenta, e muito.
Existem três teorias distintas que são verdadeiras escolas sobre os hélices, a saber Taylor (USA) 1890 a mais antiga;
Wageningen (Holanda) meia idade e Tókio (Japão) a mais recente -1930- trocando uma pela outra no setido de melhora,
apenas 5% de evolução desde o século passado até nossos dias.

Todas as teorias são boas, o que vale dizer que não adianta ficar inventando hélices se já existe teoria e cálculos feitos para
se chegar a um hélice perfeito e ideal para o modelo então por que inventar?
Continue acompanhando esse site e vá aprendendo nauti, por enquanto é só.

Retornar à página principal